No início da partida, os times estavam muito nervosos, com vários lances duros, como se poderia esperar em um típico jogo de Libertadores.

E logo aos 5 minutos, cruzamento na área pela esquerda do ataque do Flamengo e o atacante Guagua acintosamente meteu a mão na bola, evitando que o domínio por Éverton Ribeiro. O juiz nada viu e, mesmo após consultar os assistentes, indicou apenas escanteio. Apesar de toda a pressão do time rubro-negro sobre o árbitro, o pênalti claro não foi assinalado.

O destaque do primeiro tempo foi Lucas Paquetá, mais uma vez. Ao contrário do que se poderia esperar, Paquetá jogou pela faixa direita do campo, levando sempre muito perigo à defesa do Emelec, embora tenha abusado dos chutes a gol, em momentos onde companheiros estavam mais bem posicionados.

Mas chances reais de gol na primeira etapa foram poucas. Apenas aos 41 minutos, em escanteio cobrado por Rodinei, Rhodolfo cabeceou com perigo, mas o goleiro equatoriano salvou o gol no pé esquerdo da trave. Logo em seguida, em cruzamento longo da direita, novamente por Rodinei, Henrique Dourado cabeceou bisonhamente para fora. Este, aliás, jogou mal de novo, perdido entre os zagueiros.

No segundo tempo, mais pressão do Mengão. Aos 10 minutos, Diego acerta chute forte de fora da área, com grande defesa do arqueiro Dreer. Seria um prenúncio da vitória, não fosse o gol do Emelec, em um raro erro de posicionamento de Juan, que deixou o atacante Angulo livre para chutar e marcar o primeiro gol da partida. Uma ducha de água fria para o Mais Querido, que não merecia a derrota. O Flamengo pressionou o time equatoriano durante todo o segundo tempo, com inúmeras oportunidades de gol perdidas, principalmente por Henrique Dourado, que perdeu pelo menos dois gols de cabeça e um lance com a perna esquerda, na segunda etapa.

O jogo mudou aos 22 minutos, com a entrada de Vinícius Júnior no lugar de Éverton Ribeiro. Jogando aberto pela direita, ele massacrou a defesa do Emelec e aterrizou a torcida adversária. Logo após uma conclusão errada, longe do gol de Dreer, o garoto recebeu a bola na intermediária de ataque, passou entre dois defensores entrou dentro da área, driblou mais um e concluiu com a perna esquerda, sem defesa para o goleiro. Era o gol do empate, que já poderia ser considerado um bom resultado, no contexto da partida.

Mas o jovem craque queria mais e o Flamengo continuava a pressionar, em busca da vitória. E ela veio aos 40 minutos, quando Vinícius Júnior pegou uma bola na entrada da área e, com categoria, chutou à meia altura, com efeito, no canto direito do goleiro, que nada pode fazer.

Na comemoração, Vinícius ainda tirou onda ao colocar um par de óculos escuros. Foi mesmo uma atuação de gala do menino e Carpegiani terá dor de cabeça para achar um lugar para ele.

OS ARTISTAS DO ESPETÁCULO

EMELEC 1 X 2 FLAMENGO

Emelec: Dreer; Paredes, Guagua, Mejía e Baguí; Arroyo, Quiñónez (Solíz), Burbano (Montero), Luna (Mondaini) e Preciado; Angulo.

Técnico: Alfredo Arias.

Flamengo: Diego Alves; Rodinei, Rhodolfo, Juan e Renê; Jonas, Lucas Paquetá, Diego, Everton Ribeiro (Vinicius Júnior) e Everton; Henrique Dourado.

Técnico: Paulo César Carpegiani.

Foto: www.flamengo.com.br

Pesquisa da Semana:

Quem é o treinador ideal para o Flamengo?

Vote no treinador ideal clicando aqui

Deixe uma resposta